Learn To Fly (Foo Fighters)

A canção Learn to Fly (possui a fórmula de compasso 4 por 4) é um dos maiores sucessos da banda Foo Fighters, e faz parte do álbum There Is Nothing Left to Lose de 1999.

Como o disco não traz créditos com o nome dos músicos, não temos como afirmar se nesta canção o baterista é Taylor Hawkins, ou o líder do grupo e também baterista Dave Grohl. Taylor Hawkins descreveu o fato em entrevista à Drum! Magazine (dez/2007): “There’s Nothing Left to Lose foi o primeiro disco dos Foos em que eu toquei bateria. Eu gravei metade das baterias e Dave (Grohl) gravou a outra metade. Nós não colocamos (nos créditos) quem tocou o que, e essa foi uma escolha do Dave.”

Optamos por chamar as partes de A1 e A2, já que as mesmas possuem idéias musicais semelhantes (melodia e acompanhamento), mas possuem finais diferentes. Seguimos o mesmo critério nos refrãos, numerados como 1, 2 e 3.

A bateria, tocada com bastante energia e convicção, encaixa-se com a música e com o arranjo perfeitamente. Diferentes recursos baterísticos são utilizados para valorizar e diferenciar cada seção.

O primeiro deles, é trocar o padrão de bumbo e caixa durante a música. De modo geral, encontramos um padrão de bumbo nas partes A1, A2 e coda, e um segundo durante quase todo o restante da música. Nos finais de A2 e dos refrãos há um terceiro padrão, que indica a transição para outras seções. Nas levadas, a caixa é tocada predominantemente nos tempos 2 e 4. Porém em A1, coda, e na maior parte de A2, a caixa é tocada no segundo tempo e no contratempo do terceiro tempo. Nestas partes, uma pandeirola tocada no tempo 4 de cada compasso, complementa a levada (efeito de percussão).

Outro recurso utilizado pelo baterista durante a canção é mudar o prato onde as levadas são conduzidas. Em A1, coda, e em quase toda a parte A2, o chimbal é tocado fechado (em colcheias), tendo uma abertura no contratempo do tempo 3, que coincide com a caixa. No final de A2 e dos refrãos 1 e 2, o mesmo é tocado meio aberto (em semínimas). O prato de condução (com acentos na cabeça dos tempos) é utilizado na introdução e nos refrãos 1 e 2. Já o prato de ataque (em semínimas) é utilizado para conduzir no interlúdio (similar à introdução), na parte B e no refrão 3.

Na música, podemos encontrar fills (preparações) de 1, 2, 3 ou 4 tempos (por exemplo, compassos 1, 6, 72 e 111, respectivamente). Podemos encontrar fills com: flams na caixa (compasso 1), flams na caixa alternados com o bumbo (compassos 34 ou 69), toques simples na caixa e/ou em outras peças da bateria (compassos 6, 36, 65, 79 ou 109), adição de um prato de ataque no tempo 4 da levada (compassos 5 ou 24).

Além da versão original de Learn to Fly e da transcrição, incluímos uma versão sem bateria, para aqueles que quiserem tocar junto com a música, e para que possamos perceber quanto a bateria acrescenta à canção.

Versão original de Learn To Fly

 

                 

Versão de Learn To Fly sem bateria                                     Versão ao vivo de Learn To Fly