Deixa O Sol Sair (Djavan)

Olá, tudo bem?

Malásia (Djavan)

É com enorme satisfação que compartilho com vocês esta transcrição de Carlos Bala, um de meus bateras favoritos!

Escolhi Deixa O Sol Sair do disco Malásia (1996), pois este álbum me abriu os ouvidos para a música brasileira, num período em que eu me interessava por rock e metal, e também estava começando a me descobrir o jazz e o funk.

Carlos Bala tem uma discografia enorme, tendo gravado com: Gilberto Gil, Maria Bethânia, Simone, Roberto Carlos, Chico Buarque, Caetano, Veloso, Arthur Maia, Fagner, Hélio Delmiro, Francis Hime, Gal Costa, Cristóvão Bastos, Luiz Melodia, Ricardo Silveira, Nana Caymmi, Banda Paulistana, entre outros.

Caso queiram conhecer melhor o som deste grande músico, além de Malásia, recomendo os álbuns: Coisa de Acender (1991), Novena, (1994), Ao Vivo (1999) de Djavan; Na Onda Que Balança (1994) e Zona de Fronteira (1991) de João Bosco; e High Life (1985) do grupo homônimo.

Vamos aos comentários de Deixa O Sol Sair, que por ser um samba, transcrevi em 2 por 4 (2 tempos por compasso/unidade de tempo = semínima).

Transcrição de Deixa O Sol Sair

A música foi iniciada com um fill de bateria, resolvido com prato de ataque e bumbo, na quarta semicolcheia do tempo 4. Ou seja, “antecipando” o tempo 1, algo comum no samba. Note que isso ocorreu durante toda a música (por exemplo, compassos 9, 17, 25, 33, 41).

Como comparação, vale citar que em estilos como rock, blues ou funk, é comum que os bateristas façam uma virada e toquem bumbo e prato no tempo 1.

Em Deixa O Sol Sair, Carlos Bala tocou samba de diversas maneiras, tendo mudado sua levada de acordo com a música, contribuindo assim para criar o clima adequado para cada seção.

Na introdução (do início a 0:23), tocou um tradicional ostinato de samba com os pés (bumbo na primeira e quarta semicolcheias de cada tempo e chimbal nos contratempos), e conduziu a levada no ride (colcheia acentuada na cúpula e duas semicolcheias no corpo do prato). Com isso, utilizou a mão esquerda (para destros) para frasear na caixa. Algo similar ocorreu durante o solo de baixo de Arthur Maia (2:20 a 2:47).

Na parte A (0:22 a 0:44), com a entrada da voz, o baterista “baixou a bola” e tocou uma levada bem mais enxuta. Aqui, notamos: a troca do prato de condução pelo chimbal (semicolcheias com acentos nos contratempos), uma frase de dois compassos no aro da caixa (veja os compassos 20 e 21), além do bumbo no tempo 2 de cada compasso.

Uma levada similar foi tocada na parte B (0:44 a 1:12), salvo discretas variações (veja os compassos 34, 36, 40 e 44).

No refrão (1:11 a 1:44), Carlos Bala manteve o bumbo como nas duas seções anteriores, tendo passado a tocar semicolcheias com as mãos alternadas no chimbal. Perceba que acentos foram tocados na primeira e quarta semicolcheias de cada tempo. A partir deste momento, é possível ouvir a entrada de um groove nas congas, que foi mantido até o final da gravação.Carlos bala

A seguir, temos a parte C, onde observamos que o baterista criou um contraste praticamente sem mudar o ritmo. Para isso, passou a tocar mão direita no prato de condução, e seguiu com a esquerda no chimbal. Os acentos continuaram na primeira e quarta semicolcheias de cada tempo.

Em suas viradas, o músico tocou diversas ideias com ritmos sincopados, algo pertinente a este estilo musical. Lembramos que os fills foram concluídos sempre na quarta semicolcheia do último tempo do compasso, algo que comentamos no início desta análise. Como exemplo, veja os compassos 9, 52/53, 77, 102/103, e 122/123.

Com relação à sonoridade do instrumento, podemos dizer que o baterista optou por tons e surdo que “cantam”, mas ao mesmo tempo possuem um sustain controlado. O bumbo é grave e seco, e a caixa possui uma afinação alta.

Ouvindo Deixa O Sol Sair, concluímos que Carlos Bala tocou este samba de maneira autoral, musical e precisa, contribuindo para que a gravação tenha ficado ainda mais interessante. Aliás, estas características podem ser encontradas em qualquer gravação de seus 41 anos de carreira. Confiram!

Bom, agora é só imprimir a transcrição e suar a camisa!

Até a próxima!

 

                

Versão original de Deixa O Sol Sair (Djavan)                   Djavan na TV Cultura (1992)

 

               

Djavan no Programa Ensaio (1999)                           Carlos Bala, Nico Assumpção e Larry Coryell (1993)

 

               

Carlos Bala no Batera Clube Day (2012)                        Entrevista para o site O Baterista (2012)